Riscos e benefícios dos corticosteróides

Os medicamentos corticosteróides, considerados como verdadeiros salva-vidas em processos alérgicos e inflamatórios, não devem ser aplicadas de forma excessiva e sem controle médico. Se bem é certo que são muito eficazes, há que ter o cuidado de que um tratamento a longo prazo pode representar um aumento de riscos em vez de benefícios. Os corticosteróides são hormônios que são produzidos pelas glândulas supra-renais. São benéficos em seus mecanismos fisiológicos. Em concreto se aplicam como inflamatório. Este tipo de medicamentos é eficiente para combater muitas doenças que têm sua origem no sistema imunológico. Também permite controlar a inflamação dos processos alérgicos. A sua aplicação implica uma alteração no metabolismo de carboidratos, proteínas e lipídios. Mantém o equilíbrio de líquidos e eletrólitos e preservação da função normal dos sistemas cardiovascular e imunológico, rins, músculo estriado, e os sistemas endócrino e nervoso. Apesar que representa cerca de benefícios para o corpo em geral, deve ser tratada apenas sob vigilância médica. O motivo de que haja um acompanhamento exaustivo por parte dos especialistas é porque os corticosteróides também têm efeitos secundários que podem colocar em risco a saúde do paciente. Isso pode ocorrer principalmente em tratamentos prolongados ou com doses elevadas e em função da saúde e a nutrição de cada paciente. Os efeitos adversos se apresentam com doses maiores de 10 mg de Prednisona ou equivalente, após um mês de aplicação. Alguns dos efeitos nocivos dos esteróides são: -Produz diabetes, o aumento dos níveis de glicose no sangue. -Aumento da pressão arterial, uma vez que retém sódio e água. -Produz osteoporose e afinamento da pele. -Produz uma diminuição das defesas do estômago, o que pode provocar úlceras e gastrite. -Variações no estado de humor. – Provoca catarata no olho ou glaucoma. -Efeitos estéticos (estrias, acne, pêlos abundante nas pernas e braços, hematomas cutâneos) Fonte Imagem para o flickr