O tratamento do ruído bipolar

No artigo anterior nos centrábamos os sintomas do transtorno bipolar, uma doença mental que afeta cerca de 1% da população mundial, com igual incidência em homens e mulheres. Ainda se desconhece a causa que gera esse transtorno que se caracteriza pelas marcadas flutuações no estado de humor das pessoas que o sofrem. Os episódios depressivos se alternam com outros episódios caracterizados por um clima de euforia excessiva, irritação ou hiperatividade anômala. Na maioria das vezes, apresenta-se entre os 15 e os 25 anos. No entanto, o diagnóstico da doença pode levar muitos anos, já que não existe nenhum teste de laboratório ou descoberta que nos leva a estabelecer o diagnóstico, pelo que este se realiza através da história clínica do paciente. É fundamental um diagnóstico precoce, uma vez que irá instituir um tratamento adequado, que permite controlar os principais sintomas e flutuações do transtorno bipolar, por isso a pessoa pode fazer uma vida praticamente normal. Há que ter presente que os principais problemas desta doença surgem quando a pessoa não está sob tratamento psiquiátrico ou o tenha abandonado, já que isso pode levar a graves consequências de trabalho, pessoais e familiares. Para o tratamento, continua utilizando o lítio, desde há décadas, já que demonstrou grande eficácia, tanto para a fase maníaca como para a depressiva. Também são utilizados medicamentos antipsicóticos, anticonvulsivantes e benzodiazepínicos para tratar os diversos sintomas da doença. O tratamento tem como objetivo tratar os dois episódios de depressão e mania), mas também evitar as recorrências. Há que tentar que não haja recidivas e que, se as houver, que sejam o mais leves possíveis. Para este segundo objetivo se utilizam os medicamentos denominados normotímicos, que servem para restabelecer o estado de humor do paciente e, assim, evitar as mudanças bruscas.