Mal de Alzheimer: sinais de alerta

Amanhã, dia 21 de setembro comemora-se o dia mundial do Alzheimer. O objetivo dessa comemoração é divulgar uma doença que a cada ano afeta 100.000 novas pessoas no nosso país. Atualmente, e apenas em Portugal, existem 700.000 doentes de Alzheimer. É uma doença que afeta também a suas famílias, pois são fundamentais para cuidar de quem a sofre. Este dia pretende-se transmitir toda a informação relativa à doença, solicitar o apoio e a solidariedade da população, de instituições e de organismos oficiais. Nos últimos anos houve muitos avanços na investigação desta doença neurodegenerativa que afeta milhões de pessoas em todo o mundo. Existem muitos medicamentos e terapias que permitem controlar os sintomas mais comuns, como são o declínio cognitivo, a agitação da depressão ou sintomas psicóticos que se apresentam com doença mais avançada. Além disso, tal como vos temos ontem mesmo, o próximo ano vai começar a testar em 400 pessoas, a vacina contra o mal de Alzheimer. Esta nova vacina combate a doença em seus estágios iniciais, quando o cérebro das pessoas afetadas não foi atrofiado ainda pela morte de neurônios. No entanto, há que insistir na importância transcendental que tem a detecção precoce da doença, já que, deste modo, os tratamentos terão uma maior eficiência, de modo que se podem aliviar os sintomas clínicos comuns do mal de Alzheimer. Daí que seja importante estar pendentes de uma série de sinais que nos podem estar alertando de que a doença está começando. – Perda de Memória a curto prazo. Esquece-Se o que se tem feito nos dias anteriores. Este é um dos sintomas iniciais. Não há que confundir a uma falha específica de memória (data, nome, lugar...), já que isso não é um sintoma da doença. – Se alguém pergunta algo e, alguns minutos depois, volta a pedir, como se fosse a primeira vez, é um sintoma a ter em conta. – Apresentam dificuldades na hora de realizar as atividades de rotina do dia-a-dia, e mais quando se repete a cada dia esta situação. – É muito comum que as pessoas doentes de Alzheimer têm sérios problemas com a linguagem, como trocar palavras sem nenhuma ordem nem sentido, tanto na hora de falar e escrever, de forma que se torna complicado pessoas da conversa. Também lhes falham palavras muito comuns. – Desorientação temporal e espacial. É muito comum que os doentes se percam, mesmo em seu próprio bairro, e se esqueçam de como chegaram lá, sem saber nem como voltar para sua casa. – Perda do sentido comum. Por exemplo, agrupar-se muito um dia de calor intenso, ou, pelo contrário, ir em manga curta quando faz frio. – Mudanças de caráter. Se soubermos que uma pessoa lhe falha a memória, e vai acompanhado de um estado irritado ou agressivo, pode ser outro sinal de Alzheimer. – Apresentam-Se dificuldades com o pensamento abstrato. Se têm dificuldades para realizar processos mentais complexos, como você pode não se lembrar para que servem os números. – A pessoa coloca objetos em lugares que não lhes correspondem, como, por exemplo, um suporte na casa de banho. – São comuns as alterações bruscas de humor e comportamento. Podem passar de estar muito calmos para ficar em poucos segundos. – As mudanças de personalidade são também um sinal de Alzheimer. – Apatia. Se deixam de fazer atividades que antes eram realizadas sempre, sem saber muito bem por quê. A pessoa se torna passiva e deixa de ter iniciativa. A pessoa se mostra apática e muitas horas sem fazer nada. – Quando se perde a noção do tempo com facilidade e não sabem como colocar as memórias no tempo. – É característico que, no início da doença, a pessoa pode ter sérios problemas para saber que dia é, nem como descobrir. – Se existirem vários destes sinais ou sintomas em um familiar próximo e se você perguntar se essa pessoa pode ter a doença de Alzheimer, é o indicativo mais claro de que você tem que ir ao médico porque há algo que não está indo bem.