Cientistas obtêm a imagem mais completa da diversidade do câncer de mama

Nos últimos anos houve importantes avanços no diagnóstico e tratamento do câncer de mama, uma doença que a cada ano afeta cerca de 15.000 mulheres novas. Daí a importância de que se potenciando a investigação e que se destinem mais recursos para que se encontre uma solução definitiva para esta doença. Apesar de que é um dos cancros mais frequentes, um dos grandes desafios que oferece aos pesquisadores é a grande diversidade que tem. Mas parece que finalmente está mais perto de encontrar todas as peças deste enorme quebra-cabeça. E é que cientistas norte-americanos conseguiram a imagem mais completa obtida até agora esta enorme diversidade do câncer de mama. Assim, conseguiu-se identificar algumas de suas causas genéticas. Em concreto, os pesquisadores do Centro integrado do Câncer Lineberger da Universidade da Carolina do Norte (EUA) conseguiram identificar geneticamente 800 tumores de mama, e também determinaram as causas genéticas das formas mais comuns do câncer de mama. Os pesquisadores têm avaliado este grande número de tipos de cânceres de mama em quatro subtipos principais: HER-2 enriquecido, Luminal A, Luminal B e Basal Além disso, isso lhes permitiu fornecer pistas para novos alvos terapêuticos mais eficazes. Trata-Se de um estudo de grande valor a curto-médio prazo, já que os marcadores genéticos podem ser avaliados também como marcadores da resposta terapêutica. Este estudo é também o primeiro a utilizar a informação de seis tecnologias analíticas, o que se traduz em novos conhecimentos destes citados subtipos. Algumas das possíveis causas genéticas da forma mais comum de câncer de mama, o receptor de estrogênio positivo Luminal A, foram encontradas nesta investigação, por isso que estamos diante de um achado de grande importância. Neste grupo, há uma grande diversidade, algumas das quais poderiam ser tratadas com um medicamento que se encontra em desenvolvimento clínico e que poderia supor um raio de esperança para muitos pacientes. Também comprovou-se que há uma grande semelhança entre os cancros do subtipo Basal e o cancro do ovário, para o qual se poderiam desenvolver medicamentos e terapias conjuntas. Sem dúvida, um grande avanço que permitirá que nos próximos anos se possa tratar de forma mais eficaz muitos mais tipos de câncer de mama.