Causas e tratamento da tendinite de boneca

A tendinite de boneca é uma inflamação que ocorre nos tendões. Estes últimos são tecidos resistentes e com aspecto de laço que conectam os músculos do osso e permitem o movimento das articulações. Latendinitis de boneca afeta principalmente pessoas que realizam movimentos repetitivos das mãos. Por exemplo, é uma lesão muito comum entre os atletas dedicados ao basquete ou tênis, devido às múltiplas rodadas de boneca que realizam. Mas também podem afetar pessoas que trabalham com computadores ou mesmo fazendo trabalhos em casa. São inflamações leves que provocam uma dor moderada, de que não há que alarmar a priori. No entanto, se persistir com a atividade que provoca esta inflamação, pode causar desconforto e rasgos em casos graves. Entre as causas que produzem a tendinite de boneca destacam-se: –Posturas inadequadas, movimentos repetitivos usuais em certas atividades laborais (o que é conhecido como micro traumas repetidos) ou um trabalho físico intenso. Muitas vezes ocorre pela repetição de uma técnica esportiva que tem se desenvolvido de forma incorreta. –A tendinite também ocorre como consequência de uma lesão traumática –Processo degenerativo tendinoso, associado à idade. O tendão se enfraquece com o passar dos anos e perde a elasticidade, provocando este tipo de inflamação Os principais sintomas deste tipo de inflamação são dores na mão, hipersensibilidade e inchaço, dormência, dificuldade para segurar objetos ou sensação de crise, quando se dobra ou se flexiona a articulação. Na hora de tratar a tendinite de boneca, em primeiro lugar, o especialista realiza um diagnóstico através de um exame físico e tomando como referência a dor ou inchaço. Para reduzir a dor, os especialistas recomendam: -Tomar medicamentos que reduzem a inflamação no caso de haver infecção. –Realização de exercícios específicos, como massagens musculares, hidroterapia e exercícios personalizados. –Massagem com gelo sobre o tendão de 5 minutos. –Repouso articular sem congelar totalmente a boneca No caso de que nenhuma dessas técnicas seja eficaz recorre-se à cirurgia, embora não seja o mais comum. Fonte imagem ThinkStock.